Propaganda eleitoral no banco dos réus

O modelo atual das campanhas publicitárias eleitorais é válido? Os recursos e ferramentas utilizados na publicidade comercial devem ser usados nas eleições? Candidados devem ser trabalhados como produtos pelos profissionais da propaganda?

Essas e outras perguntas farão parte da próxima tarefa da turma de Publicidade e Sociedade. Em um julgamento, acusadores e defensores debaterão a pertinência, ética e validade do modelo atual das campanhas eleitorais. Ao final dos argumentos, um juri proferirá a sentença: culpada ou inocente.

Como será a atividade

A turma ficou dividida em três grupos:

  • Acusação: responsável por apontar os aspectos falhos, anti-éticos, imorais ou prejudiciais à sociedade nas campanhas eleitorais. Os advogados de acusão são: Bruna, Davi, Gabriela, Letícia, Michael e Rebeca.
  • Defesa: responsável por derrubar os argumentos da acusação e apresentar o lado positivo das campanhas eleitorais da forma que acontecem atualmente. São defensores: Bárbara, Daniela, Gabriel, Juliana, Luiz Felipe, Brunna e Victor.
  • Juri: responsável por ponderar os argumentos de acusação e de defesa e proferir a sentença: culpada ou inocente, com fundamentação baseada nas evidências de cada lado. São jurados: Pedro, Francisco, Julia, Ligia, Nara e Thaise.

Antes do início do julgamento, os advogados de ambas as posições deverão preparar sua estratégia e listar os argumentos que pretendem usar para persuadir o juri. Esses argumentos devem, obrigatoriamente, ser publicados como comentários deste post para que a outra parte possa preparar sua contra-argumentação. Os advogados de acusação e de defesa poderão trazer provas, evidências ou até chamar testemunhas. Além da argumentação oral, para o juri, ambos os lados também deverão apresentar seus argumentos por escrito, devidamente embasados e fundamentados.

O juri, por sua vez, tem a responsabilidade de ouvir os dois lados o mais imparcialmente possível, depois se reunir, debater e chegar a um veredito sobre a “culpa” ou “inocência” das campanhas da forma que são feitas hoje.

Os advogados terão duas semanas para preparar seus argumentos. O julgamento está marcado para 23 de outubro de 2015. Será que as campanhas eleitorais serão condenadas ou absolvidas?

Written by 

Graduado em Comunicação Social pelo Centro Universitário de Brasília (1993), Mestre em Engenharia de Produção pela Universidade Federal de Santa Catarina (2001) e Especialista em Gestão de Negócios pela Fundação Dom Cabral (2010). Profissional com experiência em instituições de ensino nacionais de grande e pequeno porte, com vivência na Direção Acadêmica e Executiva. Experiência em gestão acadêmica e administrativa nas modalidades Educação Infantil, Ensino Fundamental e Ensino Superior. Experiência na construção de planos de trabalho e instrumentos jurídicos para a tramitação de processos públicos voltados à execução de projetos de pesquisa, desenvolvimento e inovação. Elaboração e apoio na execução de projetos para órgãos públicos e privados.

One thought on “Propaganda eleitoral no banco dos réus”

Deixe uma resposta