Plano de Negócios

 

Este é o último assunto do semestre. Talvez o mais pragmático.

Pragmático no sentido em que é o mais aplicável, pois trata-se de ferramenta que inicia o processo de transformar uma ideia em algo concreto: um produto (ou serviço) e, por consequência, um negócio.

No Brasil ainda há um certo mito de que para ter sucesso, basta uma boa ideia. A essa altura, meus caros alunos já compreenderam que não é bem assim. É necessário investir tempo e esforço para planejar, pensar nos desafios, financiar e transformar essa ideia em inovação e, em seguida, em produto.

O plano de negócios consolida esse primeiro planejamento em um documento estruturado, que ajuda a compreender melhor o escopo e a forma de transformação da ideia em produto, além de trazer informações relevantes para possíveis investidores decidirem sobre a viabilidade do empreendimento.

Há vários modelos de plano de negócios disponíveis na Internet, nos cursos de empreendedorismo e nas agências de fomento. Cada um tem características mais ou menos relevantes conforme sua finalidade específica – apresentar a um determinado investidor, servir como insumo para um planejamento estratégico, avaliar a viabilidade do negócio…

Vale a pena reforçar alguns pontos cruciais sobre o plano de negócios que normalmente são mal compreendidos:

  • Entenda a real finalidade do plano: planejar as ideias, estabelecer objetivos e formas para alcançá-los.
  • O plano deve ser revisado. Não adianta elaborar o plano quando estiver na fase inicial e depois engavetá-lo. Revisão, atualização periódica e readequação são fundamentais, especialmente em mercados e segmentos dinâmicos.
  • Dedique tempo para fazer o plano de negócios. O esforço investido certamente será compensado pelo aumento da chance de sucesso do empreendimento. Pense antes de agir!
  • Compartilhe seus objetivos e prioridades — sua visão — com seus colaboradores estratégicos. Claro que há informação sigilosa que deve estar sob seu domínio, mas compartilhe o que pode ser compartilhado para que consiga formar espírito de equipe e sinergia para alcançar os objetivos.
  • Priorize o que é prioridade – e nem tudo deve ser prioritário. A sugestão é focar em três ou quatro prioridades e só incluir novas prioridades à medida que as anteriores forem resolvidas. Se tudo é prioritário, nada é prioritário.
  • O plano de negócios é uma ferramenta, e não um produto por si mesmo. Ou seja, não adianta planejar com cuidado e não executar o planejamento.
  • Seja o mais realista possível. O plano ajuda a fazer previsões, mas tenha o pé no chão e avalie se o que você está prevendo é realmente factível. Evite desenvolver um foguete atômico que usa a dobra espacial antes que exista um motor que permita fazer a dobra espacial (ou que sua equipe tenha condição de fazê-lo em tempo hábil). Quem assiste Jornada nas Estrelas vai entender o que estou falando.

No contraponto, vale a pena assistir esse vídeo para refletir:

Finalmente, para ajudar no trabalho final da disciplina, segue em anexo um modelo de plano de negócios voltado a startups de tecnologia, mas que pode ser utilizado em outros negócios. Outros modelos também podem ser usados.

Para quem quiser ler e entender mais sobre planos de negócios, recomendo a leitura dos artigos a seguir.

Referências

  • BOTHA, M.; ROBERTSON, C. L. Potential entrepreneurs’ assessment of opportunities through the rendering of a business plan. South African Journal of Economic and Management Sciences, v. 17, n. 3, p. 249–265, 29 maio 2014.
  • GARCÍA, J. A. C.; BEDOYA, L. J. R.; RÍOS, C. E. C. La importancia de la planeación financiera en la elaboración de los planes de negocio y su impacto en el desarrollo empresarial. Revista Facultad de Ciencias Económicas, v. 18, n. 1, p. 179–194, 31 dez. 2009.
  • GARCIA, J. R. A importância dos Instrumentos de Apoio à Inovação para Micro e Pequenas Empresas para o Desenvolvimento Econômico. Revista da FAE, v. 10, n. 2, 29 nov. 2016.
  • GONÇALVES, V. A importância de uma plano de negóciosNovo Negócio, 4 maio 2012. Disponível em: <www.novonegocio.com.br/plano-de-negocios/a-importancia-de-um-plano-de-negocios/&gt;. Acesso em: 9 jun. 2017

    LOPES, M. G. T. Efetividade e aplicabilidade do plano de negócios na abertura de empresas virtuais. Especialização—Rio Grande do Sul: Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Escola de Administração. Curso de especialização em Gestão empresarial – Turma 2014, 2016.

  • REIS, I. EMPREENDEDORISMO: A importância do Plano de NegóciosImplantando Marketing | Implantando Marketing é um espaço para compartilharmos experiências e informações sobre marketing., 18 mar. 2013. Disponível em: <www.implantandomarketing.com/empreendedorismo-a-importancia-do-plano-de-negocios/&gt;. Acesso em: 9 jun. 2017

    SANTOS, D. O.; JESUS, E. R. DE; FORTES, F. A. M. PLANO DE NEGÓCIOS E A SUA IMPORTÂNCIA PARA O EMPREENDEDORISMO. Cadernos INESP, v. 1, n. 1, p. 27–35, 10 out. 2016.

  • STOROPOLI, J. E.; BINDER, M. P.; MACCARI, E. A. Incubadoras de empresas e o desenvolvimento de capacidades em empresas incubadas. Revista de Ciências da Administração, v. 15, n. 35, p. 36–51, 3 abr. 2013.

Anexos

Written by 

Graduado em Comunicação Social pelo Centro Universitário de Brasília (1993), Mestre em Engenharia de Produção pela Universidade Federal de Santa Catarina (2001) e Especialista em Gestão de Negócios pela Fundação Dom Cabral (2010). Profissional com experiência em instituições de ensino nacionais de grande e pequeno porte, com vivência na Direção Acadêmica e Executiva. Experiência em gestão acadêmica e administrativa nas modalidades Educação Infantil, Ensino Fundamental e Ensino Superior. Experiência na construção de planos de trabalho e instrumentos jurídicos para a tramitação de processos públicos voltados à execução de projetos de pesquisa, desenvolvimento e inovação. Elaboração e apoio na execução de projetos para órgãos públicos e privados.

Deixe uma resposta